O Que São Probióticos E Por Que São Benéficos?

O Que São Probióticos E Por Que São Benéficos?
Ciência gastronômica

Sèdo Eudes Anihouvi

Cientista Ph.D. em Ciência de Alimentos e Tecnologia de Lácteos

Compartilhe-o:

Esta publicação também está disponível em:

Esta publicação também está disponível em: English (Inglês) Français (Francês) हिन्दी (Hindi)

Mostrar mais traduçõesMostrar menos traduções

Quais são os efeitos positivos dos probióticos? – Devem ser consumidos com cautela?

Surgindo como uma solução dos tempos modernos, os probióticos e os conceitos (alimentos funcionais) envolvendo os alimentos que os contêm evoluíram significativamente com a compreensão dos consumidores sobre a ligação entre a obtenção de uma boa saúde e o consumo alimentar. Desde então, uma série de controvérsias surgiram levantando alarme sobre seu uso. Da mesma forma, sua compreensão de ter um impacto na microbiota intestinal individual, juntamente com os recentes avanços na análise de alimentos, revelou a necessidade de mais evidências para reivindicar seus efeitos positivos na saúde e desenvolver o conceito de nutrição personalizada.

O que são os probióticos (ou alimentos que os contêm)?

Os probióticos são microrganismos não patogênicos que, quando consumidos em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde dos hospedeiros. São leveduras ou bactérias do ácido lático, como Saccharomyces boulardii, ou espécies de Lactobacillus e Bifidobacterium, respectivamente. Depois de atingir seus locais-alvo (trato gastrointestinal), os probióticos podem ajudar a manter um equilíbrio saudável de microrganismos no intestino, o que, por sua vez, pode ter efeitos positivos na saúde geral. Existem vários mecanismos pelos quais os probióticos exercem seus benefícios, como redução do pH intestinal, diminuição da colonização e invasão de organismos patogênicos e modificação da resposta imune do hospedeiro (13). Com efeito, a consciência da implicação do consumo alimentar na obtenção de uma boa saúde, juntamente com o aumento dos custos de saúde, levou a encontrar alternativas para reduzir o risco ou gerir doenças. Como parte dessas alternativas, o uso de probióticos foi sugerido e fragmentos de evidências de seus benefícios foram amplamente documentados [1, 3, 5, 8, 12]. Neste ponto, a definição traçada pela Associação Científica Internacional de Probióticos e Prebióticos (ISAPP) refere-se a eles como uma solução moderna com reivindicações para aliviar ou prevenir todas as doenças, incluindo diarréia, obesidade, Alzheimer e câncer. No entanto, essas visões parecem contestadas até recentemente, embora evidências de seus usos clínicos possam ser encontradas na literatura. Curiosamente, no presente resumo, pretendemos reunir insights recentes sobre os benefícios dos probióticos para a saúde com a esperança de levantar a necessidade de mais estudos sobre quais resultados poderiam encorajar a prescrição de probióticos para tratamentos eficientes e personalizados. No entanto, com seus (probióticos e produtos que os contêm) status geralmente reconhecido como seguro (GRAS), o uso de produtos que os contenham pode ser incentivado para garantir um bom equilíbrio intestinal dentro da microbiota no nível doméstico.

Quais são os principais alimentos probióticos?

Alimentos fermentados também são ricos em probióticos. Alimentos fermentados comuns que contêm probióticos naturalmente, ou têm probióticos adicionados a eles, são iogurte, kefir, chucrute, kombucha, picles, kimchi, missô, tempeh, pão de fermento e alguns queijos crus.

Para que servem os probióticos?

A série de estudos relacionados aos probióticos fortaleceu a associação dos probióticos com a manutenção e/ou promoção do bem-estar. Isso levou ao desenvolvimento de diferentes conceitos sobre os quais alimentos funcionais e/ou nutracêuticos ganharam mais interesse nas últimas décadas. Do ponto de vista do consumo alimentar, pode-se supor que esses conceitos e o entendimento dos probióticos enfocam os benefícios à saúde (além do valor nutricional) concedidos seja pelos microrganismos e/ou pelos ingredientes alimentares consumidos em quantidades adequadas como parte de uma dieta. Por enquanto, o uso cuidadoso de probióticos e alimentos que os contenham pode ser uma alternativa valiosa para aliviar e curar a incidência de algumas doenças como obesidade, diarreia, diarreia associada a antibióticos, doença por Clostridium difficile e câncer. [1, 6, 12].

Como funcionam os probióticos?

Os mecanismos de ação por trás dos benefícios à saúde exercidos, embora ainda não esclarecidos, podem incluir a produção de bacteriocina; a redução do pH; a melhora da saúde intestinal; secreção de imunoglobulina A (IgA); modificando as respostas das células T, entre outros relatados em [3, 5, 8]. O uso de probióticos tem sido associado para aliviar o risco ou controlar a incidência de condições médicas gastrointestinais (GI) e não gastrointestinais [4, 6]. As evidências do uso de probióticos para controlar as condições médicas gastrointestinais podem ser encontradas na Tabela 1.

Qual é o papel dos probióticos na prevenção do câncer?

Slizewska et ai. [10] avaliaram o papel dos probióticos na prevenção do câncer e concluíram sobre o efeito positivo do Lacticaseibacillus rhamnosus GG na inibição e indução da apoptose das células cancerígenas. O mecanismo por trás disso está na produção de ácidos graxos de cadeia curta (SCFA), como o ácido butírico, supostamente associado à regulação da proliferação, divisão e apoptose das células do cólon. Digno de nota, os SCFAs são derivados da flora intestinal em quantidades insuficientes para inibir o desenvolvimento de certos tipos de câncer. Assim, consumir probióticos diariamente pode ajudar a melhorar a produção diária de SCFAs.

Da mesma forma, em alguns casos, um tratamento combinado de probióticos e bloqueadores dos receptores do fator de crescimento transformador beta (TGF-ß) foi considerado bem-sucedido na inibição do crescimento do tumor. No entanto, apesar da falta de uma estrutura legal mundial para proteção do consumidor e uso seguro de probióticos [6, 7, 12], foi relatado que a maioria dos probióticos é segura. Mais informações sobre os benefícios para a saúde associados ao consumo de probióticos e alimentos que os contêm podem ser encontradas na Figura 1. A Tabela 1 mostra resultados associados aos usos clínicos de probióticos.

Quem não deve tomar probióticos ou deve consumi-los com cautela?

Com a falta de evidências que confirmem a segurança de sua administração versus a série de resultados que descrevem seus benefícios à saúde, deve-se ter cuidado ao administrar probióticos a pacientes de risco, como imunocomprometidos, com barreira da mucosa gastrointestinal anormal, com intestino delgado Supercrescimento bacteriano (SIBO) ou intolerância a FODMAPs, ou mesmo aqueles em recuperação de cirurgia e em algum momento, uma administração gradual pode ser preconizada. No entanto, vale ressaltar que a maioria dos probióticos são GRAS, e os efeitos colaterais (prisão de ventre, flatulência, náusea, erupção cutânea) relatados de seu uso até agora são menores. Revelar a interação entre as cepas probióticas e a microbiota intestinal pode abrir caminho para seu reconhecimento como medicamentos à base de alimentos pelo FDA.

É seguro usar probióticos ou produtos que contenham probióticos?

São necessários estudos para preencher a lacuna criada pela falta de uma estrutura legal mundial para proteção do consumidor e uso seguro de probióticos. Por enquanto, o consumo seguro de probióticos ou alimentos à base de probióticos (contendo uma mistura de probióticos) diariamente pode ser o novo divisor de águas no gerenciamento de doenças e na redução do ônus dos altos custos de saúde, especialmente nos países em desenvolvimento.

Referências

  1. Anihouvi, E. S., & Kesenkaş, H. (2022). Effects of probiotic bacteria on microbiological, physico-chemical, and functional quality of Wagashi cheese. LWT – Food Science and Technology, 155.
  2. Das, T. K., Pradhan, S.,et al. (2022). Current status of probiotics and related health. Applied Food Research.
  3. Fenster, k., Freeburg B., Hollard, C., Wong, C., Ronhave, L. R., Ouwehand, A. C. (2019). The production and delivery of probiotics: a review of a practical approach. Microorganisms, 7.
  4. Ford, A. C., Harris, L.A., Lacy, B. E., Quigley, E. M. M., Moayyedi, P. (2018). Systematic review with meta-analysis: the efficacy of prebiotics, probiotics, synbiotics and antibiotics in irritable bowel syndrome. Aliment Pharmacol Ther, 48.
  5. Granato, D., Barba, F. J., Bursac, K. D., Lorenco, J. M., Cruz, A. G., Putnik, P. (2020). Functional foods: product development technology trends, efficacy testing, and safety. Annu Rev Food Sci Technol 2020,11.
  6. Islam, S. U. L. (2016). Clinical use of probiotics. Medicine.
  7. Lu, K. Shanwu, D., Xiaoyan, W., Runming, G., Hongbo, C. (2021). Probiotics in Cancer. Frontiers in Oncology.
  8. Ozen and Dinleyici (2015). The history of probiotics: the untold story. Beneficial microbes, 6:159-165.
  9. Rondanelli, M., Faliva, M. A., Perna, S. Giacosa, A. Peroni, G., .… et al. (2017). Using probiotics in clinical practice: where are we now? A review of existing metaanalysis. Gut microbes.
  10. Slizewska, K., Markowiak-Kopec, P., Slizewska, W. (2020). The role of Probiotics in Cancer Prevention. Cancers, 13:20.
  11. Wicinski, M., Jakub G., Jakub, G., Bartosz, M. (2020). Probiotics for the Treatment of Overweight and Obesity in Humans—A Review of Clinical Trials.
  12. Zucko, J., Antonio, S., Janko, D., Damir, O., Amir, M. M., Putnik, P. (2020). Probiotic- Friend or foe? Current Opinion in Food Science, 32.
  13. Nancy, T. W. (2010). Probiotics. American Journal of Health-System Pharmacy, 67, 449–458. https://doi.org/10.2146/ajhp090168

NOSSOS PARCEIROS

Unimos forças com ONGs, universidades e outras organizações globalmente para cumprir nossa missão comum de sustentabilidade e bem-estar humano.